A CAUSA GAY E A ALIENAÇÃO DA IGREJA BRASILEIRA



         A causa gay vem sendo um dos temas mais recorrentes no seio da Igreja Evangélica Brasileira atualmente. Reconheço a importância da causa, a manipulação política que envolve da questão, o desrespeito a uma parcela da sociedade (Evangélicos e Católicos), a qual os ativistas gays desejam calar, bem como, a manipulação midiática que vem sendo implementada por alguns canais de televisão e pela imprensa, tentando conduzir a opinião pública a uma leitura irreflexiva da questão.
         Contudo, o meu compromisso não é com a causa gay, e sim com o Evangelho e com a Igreja do Senhor Jesus Cristo, e aí é exatamente onde passo a me preocupar, diante das seguintes questões: Qual a postura política da Igreja Evangélica Brasileira antes do debate sobre a homofobia? Quais foram as suas demandas éticas? Quais foram seus posicionamentos ante a opinião pública a cerca de outras questões afrontadoras ao Evangelho? A exemplo da corrupção e da injustiça social.
         Reconheço que o debate acerca da homofobia é relevante para a Igreja hoje, contudo, não é o único e nem o mais importante. Pois diante do chamado imperativo de Jesus para a igreja fazer discípulos, entendo que ela é questão contingencial.
         A história insiste em mostrar que quando se quer manipular cegamente um grupo de pessoas, dê-lhe uma causa, faça-a relevante, estabeleça o inimigo, dé-lhe arautos e mártires.
         Os caras pintadas no processo de impeachment do ex presidente Collor é um exemplo palpável: uma massa de jovens desprovidos de qualquer reflexão a cerca da questão, mas gritava slogans e palavras de ordens, forjadas por quem queria tirar vantagem da situação.
         Percebo que a falta de sabedoria e parcimônia de setores da Igreja Evangélica Brasileira acerca da questão vem, prestando um serviço a causa gay, pois os ativistas gays polarizaram o debate no seio da sociedade, alegando a discriminação por parte da igreja.
         Compreendo que há muita confusão nos posicionamentos firmados pelos extremistas dos dois lados, percebo também, que apoiar a causa gay e casamento gay, como vem fazendo alguns irmãos nas redes sociais, é atentar contra a cosmovisão cristã, já que a antropologia emerge da revelação bíblica, não abre espaço para outro tipo de estrutura familiar que não seja aquela constituída basicamente entre um homem e uma mulher, qualquer coisa fora disso, é fruto de uma perspectiva caída e pecaminosa.
         Contudo, faço lembrar que a estrutura familiar não é a essência do Evangelho, sendo inclusiva uma mera contingência, o cerne da mensagem revelada é a transformação do homem, e a partir desta transformação, todas as estruturas morais e sociais são adequadas ao plano divino revelacional. Portando, ter uma sociedade heterossexual não é indicativo de que o Reino de Deus está sendo manifesto entre os homens.
         Ressalto, portanto, que o equilíbrio, e enxergar o que motiva os pólos estabelecidos, é fundamental neste momento; temos que compreender o que é essencial e fundamental no Cristianismo, para não perdermos de vista qual a real função da igreja, que está muito além de impor regras, mas, pregar o Evangelho para que vidas sejam transformadas, e aí sim, os valores sejam adequados ao padrão divino.  O que passa disso é mero fundamentalismo religioso, que vem motivando relações sociais totalitárias e cerceadoras de direitos e garantias.
        

Pr. Jonas Silva

0 comentários:

 
Caminhando em Santidade © 2010 | Design adaptado por Kênia Siqueira | Todos os direitos reservados.