IGREJA CONTEMPORÂNEA: PRECISAMOS DE UMA NOVA REFORMA PROTESTANTE

                             



          Antes de qualquer coisa gostaria de justificar a minha ausência no blog, ando meio ocupado com as atividades de mestrado, descobri, mesmo já desconfiando disso, que o título de mestre não cai do céu, vem exigindo muita leitura e dedicação. Contudo, em virtude do último dia 31 de outubro, não deixar poderia deixar de fazer uma reflexão sobre a reforma protestante. 
          Há exatos 497 (quatrocentos e noventa e sete) anos atrás, no dia 31 de outubro de 1517, Martinho Lutero afixou nas portas da catedral de Wintteberg, Alemanha as suas 95 (noventa e cinco) teses. Começava aí, um processo de libertação da Igreja Cristã da estrutura de poder fomentada pelo clero da Igreja Romana.
          O movimento iniciado por Lutero era fundamentado em 5 (cinco) pilares básicos: somente a Escritura, somente a Fé, somente a graça, somente Cristo e glória somente a Deus. É exatamente ante as bases fincadas por Lutero e a partir do que a igreja evangélica contemporânea se tornou que gostaria de fazer uma reflexão.
Somente a Escritura
          A igreja contemporânea vem se tornando cada vez mais emocional e experiencial, não quero dizer que o elemento de mistério, não  faça parte da vida cristã, mas defendo que a mesma não pode ser elemento norteador e autoritativo da práxis cristã.
          Vemos cada vez mais igrejas e ministérios serem estabelecidas em fundamentos pragmáticos, mesmo que estes não encontrem lastro nas Escrituras Sagradas, infelizmente a Bíblia não vem sendo para igreja contemporânea suficiente para nortear a vida eclesiástica.
Somente a Fé
          Na percepção de Lutero a Fé era o elemento soteriológico fundamental, ante as vendas de indulgências implementadas pela Igreja Romana.
          Para a igreja contemporânea a fé se tornou meramente uma força promotora de milagres, e nesta percepção equivocada, surge um novo mercado de indulgências, que são os amuletos e muletas espirituais (rosa ungida, campanhas financeiras, sal grosso, copos com água etc), que visam alcançar o paraíso, muito embora, gostaria de lembrar, que o céu da igreja pós-moderna, não está no porvir, mas em uma vida terrena ausente de problemas.
Somente a graça
          O conceito de graça para a igreja contemporânea se tornou em algo sem valor, a espiritualidade contemporânea tirou os olhos daquilo que ela não poderia jamais pagar que mesmo assim Deus nos presenteou, que foi a salvação em Jesus Cristo. E fixou o olhar naquilo que ela, mesmo equivocadamente, entende que pode compra de Deus por meios de seus sacrifícios pessoais e financeiros, que é uma vida de sucesso terreno.

Somente Cristo
          Vivemos dias onde os ministérios são cada vez mais personalísticos, onde o líder principal não é a pessoa de Jesus, mas o pastor “a”ou “b “, onde o paradigma de verdade não está na pessoa de Cristo, mas em concepções humanas.
          Algumas igrejas evangélicas tratam a sua liderança como infalíveis e acima do bem e do mal, não importam quantas vezes eles ultrapassem a mensagem de Jesus, ainda assim estarão corretos.
Glória somente a Deus
          As estruturas eclesiásticas de poder estabelecidas pela igreja contemporânea buscam a glória de Deus? Ou a manutenção de sua própria glória? A resposta as estas indagações fica fácil de responder quando observamos que muitos nomes de igrejas são mais exaltados do que o próprio nome de Deus.
          Nesta lógica contemporânea a glória de Deus é compartilhada com o líder ou ministério, Ele deixa de ser o ator principal e passa a ser o coadjuvante.

          Ante a breve reflexão que acabamos de fazer, que a Reforma Protestante não foi simplesmente um movimento de ruptura com a Igreja Romana, mas, sim, a implementação de uma lógica que visava estabelecer uma espiritualidade e estrutura eclesiástica bíblica.
          Contudo, hoje observamos, que mesmo separados da Igreja Romana, que os ideais basilares da reforma protestante foram suplantados pela igreja contemporânea, hoje, 497 (quatrocentos e noventa e sete) anos depois de Lutero, o futuro, no tocante a estrutura de poder eclesiástica e práxis cristã, repetiu o passado, por isso, necessitamos urgente de uma nova reforma, que liberte a igreja evangélica das amarras do engano e de uma espiritualidade equivocada.


Pr. Jonas Silva
 
Caminhando em Santidade © 2010 | Design adaptado por Kênia Siqueira | Todos os direitos reservados.