UM CRISTIANISMO POLITEÍSTA



          Quando Deus estabeleceu suas diretrizes para o relacionamento com a nação de Israel, Ele afirmou: Ouve, Israel, o Senhor, nosso Deus, é o único Senhor. Amarás, pois, o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua força.”(Deut 6:4-5). Em outras palavras, o Senhor estava externando que a base da relação entre o homem e seu criador é fato Dele, o criador, ser único no sentido de ocupar o centro da vida de seus adoradores, ou seja, o chamado de Deus era para que se destronassem os ídolos (outros deuses) da vida de seu povo.
          Antes de prosseguirmos, gostaríamos de falar um pouco sobre esse ente chamado de ídolo, para muitos, parece um conceito óbvio, um lugar comum, já que é notório o sentido que nos remete o vernáculo: Uma imagem, um objeto concreto de adoração cultual. Contudo, compreendemos que muito mais que algo concreto, o ídolo é um conceito que dar sentido à vida daqueles que dele se apropriam, ocupando ou dividindo espaço com aquele que deveria ser único. Neste sentido, a imagem nada mais é que uma representação, uma materialização deste conceito.
          Sempre defendemos que a raiz de todo esquema pecaminoso é a idolatria, acreditamos inclusive, que o primeiro pecado humano foi motivado por uma raiz idólatra. Quando nossos pais, ainda no Édem, escolherem comer da árvore do conhecimento do bem e do mal, em detrimento da vontade divina, eles estavam substituindo: Deus por seu próprio eu, a vontade do criador por sua própria vontade e a verdade de Deus absoluta pela relativa “verdade” da serpente. Enfim, eles estabeleceram para si um ídolo sem imagem física aparente, mas que se curvaram diante dele.
O ídolo não é, ele se torna, ele só é para nós, fora de nós enquanto divindade não é nada, o Apostolo Paulo nos alerta de forma profunda sobre este aspecto: “...nós sabemos que um ídolo representa alguma coisa que realmente não existe. .” (1 Cor 8:4).
          Compreendemos que o homem do século XXI, mesmo aqueles que buscam uma vida com Deus, que possuem conceitos teológicos tão refinadamente sistematizados, ainda advoga um conceito superficial que o ídolo, prioritariamente, está ligado a uma imagem física que é adorada em um determinado contexto litúrgico.
          A incompreensão, do verdadeiro sentido do ídolo, vem levando muitos cristãos, a um tipo de espiritualidade lastreada na idolatria, inclusive aqueles oriundos da reforma protestante, que muitas vezes se tranquilizam por não se prostrarem diante de imagens de esculturas, mas, na verdade possuem lógicas, sentimentos, ou mesmo pessoas que ocupam o lugar de Deus em sua vida, redundando em uma inversão de prioridades, onde o Senhor e seu Reino sempre é renegado ao segundo plano.
          A idolatria continua sendo um dos principais problemas espirituais do homem, o evangelho da prosperidade e sua lógica mercantilista, é um exemplo típico de um sistema idólatra, onde as coisas e as sensações, ocupam e dividem lugar com aquele que é o único Senhor. A mensagem pregada aponta para as coisas que Deus pode dar e não para o próprio Senhor, nesta lógica, as obras criadas são mais importantes que o autor, sendo a base primeira da relação espiritual.
          O deus criado pelo homem e pelo evangelho pós-moderno, é uma caricatura do Deus revelado, ou seja, uma imagem forjada pelo egoísmo humano, uma verdadeira “imagem de escultura humanista”.
          Até mesmos as coisas que fazemos para Deus podem se tornar ídolos, quando elas são um fim em si mesmo, e, não visam exclusivamente à glória do único Deus, neste aspecto, entendemos que há muitos altares (Ministérios, Visões teológicas, líderes) na vida dos ditos “crentes”, os quais que se prostram diante deles na desculpa que estão servindo ao Senhor.
O chamado ao Evengelho é um chamado iconoclasta, o problema que nem sempre os ídolos a serem destruídos, estão materializados em forma de imagens fisícas. sendo adequada e oportuna a paráfrase: Ouve, IGREJA, o Senhor, nosso Deus, é o único Senhor. Amarás, pois, o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua força.”.
Mas, o atendimento a este chamado só se concretizará quando tivermos dispostos a destronarmos: Toda lógica, conceito, fonte de sugurança e sentimentos/sensações, que ocupam o lugar do Senhor Deus em nossa vida e na vida comunitária da Igreja.

          Pr. Jonas Silva

0 comentários:

 
Caminhando em Santidade © 2010 | Design adaptado por Kênia Siqueira | Todos os direitos reservados.