NATAL DOS FLINSTONES E O NATAL PÓS MODERNO



                           
                                      

            Um dos dilemas vivenciados por este pastor em sua adolescência, era o fato da família Flinstones, personagens de Hanna Barbera, comemorarem o natal, ainda na pré história, logo, obviamente antes de Jesus Cristo ter nascido.
            Aquilo que me causava indagações na adolescência, ou seja, a comemoração do natal antes de Cristo, logo sem Jesus. Hoje, já passando dos 40 (quarenta) anos, outros dilemas acerca das festas natalinas me faz entender que o natal dos Flinstones não é muito diferente das comemorações, natalinas na pós modernidade.
            Quando analisamos a importância e papel de Jesus no natal contemporâneo, a ideai acerca da pessoa de Cristo, parece estar em perfeita consonância com a idéia dos multisignificados  para os conceitos já estabelecidos, onde cada um dá o significado que julgar possível.
            O Natal contemporâneo é uma festa no qual o seu principal e único personagem, Jesus Cristo, foi alijado da comemoração, as pessoas lembram  de Papai Noel, da luzes, dos presentes, do Peru, do Chester, do que do próprio Cristo.
            Lembro que na minha infância, que toda ornamentação de natal, possuía em sua constituição o presépio, com o menino Jesus na manjedoura, os pastores em volta, para fazer lembrar que Ele havia nascido um dia em Belém da Judéia, e que o natal era exatamente a comemoração deste fato.
            Na contemporaneidade as decorações de natal são marcadas pelas luzes, e principalmente por Papai Noel, gerando no consciente e inconsciente das pessoas, que o que é importante não é o nascimento de Jesus, mas, ganhar presentes, e, principalmente consumir e gastar.
            As pessoas na sociedade consumista contemporânea ganham e dão presentes, mas se esquecem que o principal presente do natal foi providenciado por Deus, fruto do seu inaudível amor, que é a pessoa do seu filho Jesus encarnado, se não no dia 25 de dezembro, em algum dia da história para resgatar o homem de seus pecados e opressão.
            As pessoas se abraçam se confraternizam, fazem festas e banquetes, se embriagam, são falsos em suas congratualações, e se esquecem de parar para agradecer e parabenizar o dono e aniversariante da festa que é Jesus. Mas como falar em gratidão, se foi perdido a concretude e força do significado do nascimento e encarnação do filho de Deus.
            Quando comparo com as outras festas do nosso calendário, entendo que não é no carnaval que as pessoas se fantasiam, pois muitas vezes elas dão vazão as que são realmente. Mas, é no natal, pois mesmo de cara limpa, é comum ver pessoas transvestidas, em nome do espírito natalino, em personagens que não são: bom chefe, bom cristão, bom amigo, caridoso e por aí vai,
            O natal só faz sentido quando Jesus deixa de ser um mero personagem histórico, o qual se comemora o seu nascimento no dia 25 de dezembro, para ser um personagem pessoal que nasceu em nossos corações em algum dia da nossa existência, por isso, chega a conclusão que as fetividades natalinas contemporâneas, sem a pessoa do Cristo, é como o natal dos Flinstones, ou seja, materialista e consumista, sem qualquer possibilidade de significado  cristã concreto e real.


Pr. Jonas Silva


Só para lembrar e conferir estou postando o Filme do Natal dos Flinstones!!!


                          

0 comentários:

 
Caminhando em Santidade © 2010 | Design adaptado por Kênia Siqueira | Todos os direitos reservados.