DISCRIMINAÇÃO RELIGIOSA EM GARANHUNS (PE)


Eu vi a matéria acima no último sábado (26/11/11), exatamente no intervalo das aulas da pós graduação que estou fazendo em docência do ensino da filosofia. Ao mostrar a matéria, o debate, como é comum no meio de pensadores, teve inicio, e depois de varias colocações, nos lembramos das aulas do nosso professor de Metodologia Científica. E de um livro escrito pelo Dr. MARCOS ROBERTO NUNES COSTA, recentemente lançado adquirido por boa parte da Turma; COMO NORMATIZAR TRABALHOS ACADÊMICOS. No livro do Ilustre Doutor, que inclusive é professor da Universidade Federal de Pernambuco, o autor fez registrar um fato que nos deixa ainda mais estarrecidos, com a atitude de quem avaliou e rejeitou o trabalho científico em questão. Para dirimir qualquer dúvida estarei transcrevendo trecho do citado Livro consignado na página 38:
“Agradecimento é parte opcional de um trabalho monográfico. É algo puramente subjetivo. Deve refletir os sentimentos do autor para com pessoas, entidades, etc”  

O que me chama atenção na questão é a ignorância e desrespeito, quase que medieval, por parte dos julgadores do citado trabalho acadêmico, pois uma imposição desta monta, rejeitar uma produção cientifica simplesmente por ter um agradecimento a DEUS, é a materialização de um preconceito, a imposição de um pensamento calando os divergentes.
Lembremos que o nosso país é laico, mas não é ateu, conforme está consignado no preâmbulo da Constituição Federal:
Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembléia Nacional Constituinte para instituir um Estado Democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, na ordem interna e internacional, com a solução pacífica das controvérsias, promulgamos, SOB A PROTEÇÃO DE DEUS, a seguinte CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. (grifo nosso)

Devemos rasgar a Constituição Federal por fazer menção do nome de Deus, parece que na lógica de alguns estudiosos da Universidade Federal Rural de Pernambuco, sim, devemos rejeitá-la, pois finalmente, deveríamos agradecer a Assembléia Nacional Constituinte e não a Deus  pela sua promulgação.
Constituição que também garante em seu Artigo 5o "é inviolável a liberdade de consciência e de crença..."
Vivemos dias onde os debates pelos direitos das minorias e dos discriminados, vem sendo uma agenda concreta em nosso país, falamos: em Direito dos Negros, Dos índios, dos gays, contudo, acho que deve entrar nessa agenda também o direito dos Católicos e Protestantes, para evitarmos que sejamos discriminados por mentes sectárias, medievais e fechada em sua ideologia ateia, acho que está na hora dos cristãos deste país tomarem posição ante os descalabros que se impõe diante de nós .  



Pr. Jonas Silva

1 comentários:

 
Caminhando em Santidade © 2010 | Design adaptado por Kênia Siqueira | Todos os direitos reservados.