A MARCHA PARA JESUS: A TEOLOGIA DE DODÔ E OSMAR



 

            Hoje, no dia 24 de outubro de 2011, acontecerá em minha cidade (Recife) a Marcha para Jesus, evento que suscita vários debates e dúvidas. Na própria Igreja que pastoreio, fui interpelado por diversos membros acerca da questão.
            A minha resposta em linhas gerais, foi sempre afirmar: Acho a idéia maravilhosa, ajuntamento das igrejas evangélicas para abençoar a cidade, contudo a forma que se impõe, pelo menos aqui em Recife, enxergo como deplorável e totalmente desconexa do propósito inicial.
            Falo isso, não como alguém que finca suas bases no preconceito, mas sim, como um expectador que já participou da Marcha, inclusive por dois anos, do alto de um trio elétrico.
            O que observei como expectador da Marcha, foi um verdadeiro carnaval fora de época, embalado por músicas gospel, onde o propósito inicial só servira, para chancelar o evento, contudo, a “práxis” não deixa nada a dever aos blocos baianos.
            O que me incomoda, é ter minha inteligência violentada, pelo discurso de muitos pastores e lideres que asseveram que a marcha é um ato profético, de fundamental importância para a conquista espiritual das cidades. Pois, a mesma, a inteligência, me leva a perguntar: Qual a importância de um ato dito profético, restrito a um único dia do ano, diante de uma igreja que se omite de sua responsabilidade profética durante os outros 364 (trezentos e sessenta e quatro) dias do ano, responsabilidade esta, que impõem: denunciar pecados, injustiças sociais, batalhar na dimensão espiritual.
            A Marcha deste ano em minha cidade, vem revestida de uma nova motivação, que é opor-se a passeata gay ocorrida a semana passada no mesmo local, que impõe uma nova lógica equivocada, vamos mostrar  que somos maiores e melhores, que o outro grupo. Mas, será que é esta dimensão que a cosmovisão cristão impõe para enfrentarmos a situação? Ou será, que a confrontação, serve de desculpa, e de oportunidade para os políticos cristãos colherem dividendos, usando a igreja como massa de manobra.
            Infelizmente, diante da pseudo e sórdida espiritualidade que lastreia a Marcha para Jesus, onde as danças, as vestes, as atitudes, a músicas, não objetivam a adoração a Deus, e, sim, dar vazão a carnalidade, desta feita, chancelada pelas igrejas evangélicas.
            Em relação a Marcha para Jesus, só encontro base teológica, na teologia de Dodô e Osmar,  baianos que inventaram o trio elétrico, que afirmavam: Atrás do trio elétrico só não vai quem já morreu. Contudo, fica a dúvida: Será que quem morreu e nasceu de novo iria?

Pr. Jonas Silva
  
                                                                    

AS FACAS GUINSU CORTAM AS MEIAS VIVARINA? E MEUS OUTROS DILEMAS


xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
  xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
 



               Acho que no meado da década de 80 ou início da de 90, estavam iniciando as atividades da rede POLISHOP, veiculando na televisão produtos “fantásticos”, que prometiam coisas inacreditáveis, dois destes produtos, gerou na minha cabecinha talvez o maior dilema existencial vivenciado por mim, e, que não consegui resolver até hoje. Já que aquele dilema básico: Quem sou eu? De onde eu vim? Para onde vou? O Evangelho tratou de resolver.
            O grande dilema era exatamente saber se as facas guinsu 2000 cortavam as meias vivarina. Deixa eu explicar, nos comerciais da polishop geralmente eram apresentados vários produtos em seqüência, e naquela época era veiculado um comercial de uma faca que cortava tudo, as facas guinsu 2000, e, logo, em seguida era apresentado uma meia indestrutível, que nada cortava ou perfurava, as meias vivarina.
            Tal fato, deixou a minha cabeça em parafusos e fervendo, com a grande questão: Se a faca guinsu 2000 corta tudo e as meias vivarina nada corta, finalmente as facas guinsu cortam as meias vivarina? Para maiores esclarecimentos, e dirimir qualquer dúvida, estou postando os dois comerciais.
Tal dilema foi ressuscitado nestes dias, quando estava ministrando aula para a minha turma de apologética no Seminário Batista Nacional, e tratava do princípio da não contradição.  
            O tempo passou, tenho que admitir, estou ficando velho, me tornei entre outras coisas pastor, e juntamente com o antigo dilema venho vivenciando uma série de outros, dos quais gostaria de partilhar alguns deles com você amigo leitor.
            Qual a razão de tantos pastores pregarem em seus púlpitos, sobre a necessidade de unidade entre os irmãos em suas igrejas, contudo, não se unem com os outros colegas pastores?
            Como é possível declarar que o Reino de Deus é uno, contudo, muitos lideres encaram as outras denominações como concorrentes? .Mesmo que muito parecidas doutrinariamente, mudando muitas vezes só a cor dos templos
            Como pastores pregam sobre o dever dos irmãos nunca abandonares as suas igrejas, contudo, abandonam as suas convenções para fundarem ministérios independentes?
            Por que muitos lideres falam do dever dos membros de suas igrejas, cooperarem com o trabalho das igrejas que pastoreiam, inclusive financeiramente, mas, nunca cooperam com os trabalhos da igrejas de seus colegas? Muitas vezes da mesma convenção, e sonegam a parte devida a sua entidade representativa
            Qual a razão dos pastores  não se satisfazem só com o título (pastor), e, agora querem ser apóstolos, querubins, quase deus e outras megalomanias eclesiológicas? Como se o título mudasse alguma coisa em seu chamado.
            Como as igrejas evangélicas no Brasil têm crescido tanto, contudo, a qualidade ética dos membros e a doutrinária das igrejas, têm piorado?
           
            Querido leitor, eis aí alguns dos dilemas  vivenciados por este pobre pastor, o que me faz chegar a conclusão, que resolver a questão ds facas guinsu x as meias vivarina, se tona tão irrelevante, e tão simplória, que só posso afirmar: Era feliz e não sabia. Mas se você puder me ajudar na resolução de algum desses dilemas, inclusive os da faca guinsu 2000, por favor post um comentário aí embaixo.


Pr. Jonas Silva.
           
           

           

 
Caminhando em Santidade © 2010 | Design adaptado por Kênia Siqueira | Todos os direitos reservados.