BANCADA EVANGÉLICA TROCA PALOCCI POR KIT GAY! SERÁ QUE O FIM JUSTIFICA OS MEIOS???

                                        

Depois da pressão da bancada evangélica e de grupos católicos do Congresso e das ameaças dos parlamentares desses grupos de apoiar investigações sobre o ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, o governo federal decidiu suspender a produção e a distribuição do kit anti-homofobia, que estava em planejamento no Ministério da Educação. Segundo o governo, todo o material do governo que se refira a "costumes" passará por uma consulta aos setores interessados da sociedade antes de serem publicados ou divulgados.
A suspensão do kit foi confirmada pelo ministro da Secretaria-Geral da República, Gilberto Carvalho, no começo da tarde desta quarta-feira.
A pressão dos parlamentares dos grupos de evangélicos e católicos foi feita com ameaças de convocar o ministro da Casa Civil, Antonio Palocci para esclarecer a multiplicação do seu patrimônio e de pedir uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) na área da educação por causa do projeto do material que seria distribuído às escolas para promover a diversidade.
        O ministro Carvalho, no entanto, discorda da versão de um acordo com os parlamentares envolvendo o caso de Palocci: "Não tem toma lá, dá cá", disse.
Segundo Carvalho, o governo "achou que seria prudente não editar esse material que estava sendo preparado no MEC e a presidente Dilma Rousseff decidiu pela supensão desse material, assim como o vídeo que estava sendo preparado por uma ONG". Ele afirmou também que, a partir de agora, todo material sobre costumes "será feito a partir de uma consulta mais ampla à sociedade".

Sem convocação nem CPI

Ao conseguir a suspensão do kit anti-homofobia, as bancadas evangélica e católica deixaram de pedir a convocação de Palocci e recuaram na abertura de uma CPI da educação.

Para Gilberto Carvalho, se as bancadas decidiram não fazer os pedidos, a mudança de atitude não tem relação com o recuo do governo sobre a questão do kit gay.
Já o deputado Antonhy Garotinho, afirmou: "todas as decisões que tínhamos tomado ontem, obstrução, criação de CPI do MEC e a convocação do ministro Palocci, estão suspensas com o compromisso que o ministro assumiu [de suspender o kit e colocar as bancadas nas discussões sobre material sobre costumes] e não com o pedido deles".
Na sessão de ontem, Garotinho já havia sugerido a ameaça: "Hoje em dia, o governo tem medo de convocar o Palocci. Temos de sair daqui e dizer que, caso o ministro da Educação não retire esse material de circulação, todos os deputados católicos e evangélicos vão assinar um documento para trazer o Palocci à Câmara”, afirmou à Agência Câmara.

MINHA INDIGNAÇÃO

Ontem (25/05/11) estava comemorando a recuada da nossa Presidenta Dilma no tocante à distribuição do famigerado e polêmico Kit contra homofobia do Ministério da Educação (MEC), conhecido popularmente como o “kit gay”.

Hoje (26/06/11) ao abrir os jornais locais daqui da minha cidade, me deparo com a triste informação que na verdade a o recuo da Presidenta, deu-se, especialmente, por uma manobra política de nossos representantes que trocou a cabeça de Palocci pelo kit gay (ver noticia acima).

Ante a manobra política fico pensando o que seria pior: A distribuição de material de propagação da prática homossexual? Ou, políticos que propagam a ética cristã, fecharem os olhos para o desvio do dinheiro público? Sinceramente os dois sãos péssimos, principalmente quando lembro das sábias palavras, que dois erros jamais darão um acerto.

Os valores de um homem devem delinear as atitudes e decisões que ele toma em sua vida, logo, o Evangelho com todas as suas exigências morais, deveria pautar a legislatura e a forma de fazer política de Políticos ditos evangélicos.

Talvez algumas pessoas me taxem de inocente, simplório, e até me lembrem a velha máxima mundana: “Que os fins justificam os meios”. Contudo não sou um garotinho, e sei que o Evangelho do nosso Senhor Jesus Cristo, aponta para o fato que os fins revelam os princípios, ou seja, o que fazemos ou deixamos de fazer é motivado pelo que somos.

Ser conivente e omisso com a ladroagem e desvio do dinheiro publico, com certeza não está no rol de ações que se espera de um político evangélico, e que se diz representante das igrejas e dominações, mesmo que os kits gays sejam retirados das escolas.

Hoje me entristeço, pois sinto que a vitória do kit gay, constituí-se a derrota da ética e da moral, que como cristãos deveríamos primar, e revela a fragilidade do cristianismo vivenciado pelo Políticos Cristão, que fazem política antes, e, independentemente da vivenciarem um cristianismo bíblico.

Provérbios 11 : 1 BALANÇA enganosa é abominação para o SENHOR, mas o peso justo é o seu prazer. Em vindo a soberba, virá também a afronta; mas com os humildes está a sabedoria. A sinceridade dos íntegros os guiará, mas a perversidade dos aleivosos os destruirá.

Pr. Jonas Silva







SOU HETEROSSEXUAL, POR FAVOR, ME AJUDEM!





O mundo vem mudando, embora sempre soubesse e sei que nem toda mudança significa evolução, os valores de outrora são considerados hoje excremento, as instituições basilares estremecem e são derribadas, em nome destas novidades.
            Nunca me considerei uma pessoa preconceituosa, pois, já tive e tenho amigos judeus, protestantes, católicos, espíritas, negros, bonitos, feios, altos, baixos, caretas, drogados, recatados, mulherengos, machões e gays, contudo, o fato de estabelecer um laço de amizade com os mesmos nunca significou que concordasse com seu estilo e filosofia de vida, como também nunca me senti melindrado por eles não concordarem com o meu, pois, o respeito e a consideração não implicam necessariamente em uniformidade de ideias e condutas.
            Hoje, tenho que confessar que vivo em um dilema em relação aos meus amigos gays, não pelo fato de não mais aceitá-los, mas em virtude de como heterossexual, não ser mais aceito por eles, por mero preconceito, já que a minha opção sexual vem se mostrando retrógrada, e a minha discordância em relação ao comportamento deles está sendo taxada nestes últimos e malucos dias de homofóbica.
            Observo o mundo, e vejo as novelas, a imprensa, os políticos e até ministros do Supremo, e fico perscrutando o meu comportamento heterossexual e fico me indagando a respeito do que mal cometi, ou que mal a sociedade ultrapassada, na qual fui formado, me fez.
Meu Pastor sempre me ensinou através Palavra de Deus, consignada nas páginas da Bíblia, que o Senhor criou apenas dois sexos (Macho e Fêmea), e que Ele (O Senhor) sempre abominou a prática homossexual dos povos pagãos, bem como, assim como outros impenitentes, o que adotavam tal estilo de vida, sofreriam a condenação eterna. Contudo, poderiam ser transformados pelo imenso amor de Deus.
A minha professora de Biologia, assim como meu pastor, contribuiu para este monstro social que me tornei, ela me ensinou nas aulas mais concorridas da escola, que a sexualidade era desempenhada entre o homem e a mulher, por meio de órgãos perfeitamente formados, para tal finalidade, segundo a mesma, tudo se encaixava: formato, a lubrificação etc. Diferentemente do sistema excretor, como me ensinou a diligente mestra, que servia pelo menos naqueles tempos, para evacuação.
Hoje, como pai que sou, passei a entender meus pais, com seus cuidados e conselhos, contudo, me vejo atualmente, em um novo dilema em relação às verdades ensinadas pelos mesmos, quando afirmavam que a família é a base da sociedade e que deveria procurar uma boa mulher para casar e gerar filhos e educá-los nos padrões éticos e morais, padrões estes que taxava como perversão, o fato do homem gostar sexualmente de outro homem.
A minha psicóloga, a qual nutria grande estima pela mesma, já que havia me ajudado a resolver muitos dos meus dilemas pessoais, hoje me vejo em novo dilema, já que a dita cuja me ensinou aquilo que ela havia aprendido em sua faculdade, que homossexualismo era uma conduta comportamental, aprendida, imposta ou por opção, e que ninguém nascia assim, e hoje, me vêm alguns profissionais sem qualquer comprovação científica dizendo o contrário.
O meu professor de história, que inclusive era gay, também deu a sua parcela de contribuição para este “homofóbico” que sou, já que o mesmo falou muitas vezes de estados ditatoriais, onde cerceavam o direito de discordar do sistema, onde prendiam cidadãos pelo simples fato de expressarem ou adotarem ideologias diversas da adotada pelos governos, e, enaltecia as revoluções que libertava mentes e corações. Contudo, hoje me vejo tolhido do meu direito de pensar, discordar e ou até de ser engraçado, já que posso contar piadas de judeus, protestantes, católicos, espíritas, negros, bonitos, feios, altos, baixos, caretas, drogados, recatados, mulherengos e até mesmos de machões, exceto de gays sob a pena de ser taxado de homofóbico e sofrer as sanções legais.
Tenho 41 anos, sou Heterossexual, e agradeço a todos aquelas pessoas que citei acima, pois me ensinaram a verdade das coisas, verdades estas que querem perverter para respaldar um estilo de vida antinatural e doentio, e que hoje me faz homofóbico, por isso peço ajuda.


Pr. Jonas Silva


                                 


                                          

CNBB despreza decisão do STF sobre união homoafetiva




A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) questionou a competência do Supremo Tribunal Federal (STF) para estabelecer decisão normativa acerca da união entre pessoas do mesmo sexo, partindo da premissa que a atribuição de propor e votar leis são do Congresso Nacional, cabendo ao governo o dever de garanti-las.


Acerca do assunto, ressalto que não obstante a decisão do STF em favor da realização da união entre pessoas do mesmo sexo, o poder Judiciário em nenhuma de suas instâncias poderá se sobrepor as Lei vigentes no País.

A Constituição Federal, que á Lei máxima do nosso país, em seu Artigo 226 já estabelece a composição nuclear da família:

Art. 226. A família, base da sociedade, tem especial proteção do Estado.
§ 1º - O casamento é civil e gratuita a celebração.
§ 2º - O casamento religioso tem efeito civil, nos termos da lei.
§ 3º - Para efeito da proteção do Estado, é reconhecida a união estável entre o homem e a mulher como entidade familiar, devendo a lei facilitar sua conversão em casamento. (grifo nosso)


Como aprendi ainda na minha tenra idade,  nas aulas de Organização Social e Política do Brasil (OSPB), matéria excluída dos currículos das escolas brasileiras, que só uma lei pode alterar uma outra lei, e que não é de competência do Judiciário criar Leis, e sim do Poder Legislativo
Da harmonia dos Poderes, depende da implementação do Estado Democrático de Direito norteado em última instância pela carta magna do país.
O que se esperar de um poder Judiciário, que em sua instância superior despreza e rasga, por meio de suas decisões as páginas da Constituição Federal, norma esta a qual deveria ser o fiel guardião.
O que esperar dos políticos lotados nas casas legislativas federais, que se calam ante ao frontal desrespeito às suas atribuições.
Aos juristas fica o pedido de perdão de um rábula, que ver com preocupação e indignação, ante a questão do homossexualismo em nosso país, a fragilidade de nossas instituições. E me indago: Será que o Brasil verdadeiramente foi liberto das Ditaduras??

Que Deus nos ajude!!!!

Pr. Jonas Silva


 


Leia nota da CNBB na íntegra:


Nós, Bispos do Brasil em Assembleia Geral, nos dias 4 a 13 de maio, reunidos na casa da nossa Mãe, Nossa Senhora Aparecida, dirigimo-nos a todos os fiéis e pessoas de boa vontade para reafirmar o princípio da instituição familiar e esclarecer a respeito da união estável entre pessoas do mesmo sexo. Saudamos todas as famílias do nosso País e as encorajamos a viver fiel e alegremente a sua missão. Tão grande é a importância da família, que toda a sociedade tem nela a sua base vital. Por isso é possível fazer do mundo uma grande família.

A diferença sexual é originária e não mero produto de uma opção cultural. O matrimônio natural entre o homem e a mulher bem como a família monogâmica constituem um princípio fundamental do Direito Natural. As Sagradas Escrituras, por sua vez, revelam que Deus criou o homem e a mulher à sua imagem e semelhança e os destinou a ser uma só carne (cf. Gn 1,27; 2,24). Assim, a família é o âmbito adequado para a plena realização humana, o desenvolvimento das diversas gerações e constitui o maior bem das pessoas.

As pessoas que sentem atração sexual exclusiva ou predominante pelo mesmo sexo são merecedoras de respeito e consideração. Repudiamos todo tipo de discriminação e violência que fere sua dignidade de pessoa humana (cf. Catecismo da Igreja Católica, nn. 2357-2358).

As uniões estáveis entre pessoas do mesmo sexo recebem agora em nosso País reconhecimento do Estado. Tais uniões não podem ser equiparadas à família, que se fundamenta no consentimento matrimonial, na complementaridade e na reciprocidade entre um homem e uma mulher, abertos à procriação e educação dos filhos. Equiparar as uniões entre pessoas do mesmo sexo à família descaracteriza a sua identidade e ameaça a estabilidade da mesma. É um fato real que a família é um recurso humano e social incomparável, além de ser também uma grande benfeitora da humanidade. Ela favorece a integração de todas as gerações, dá amparo aos doentes e idosos, socorre os desempregados e pessoas portadoras de deficiência. Portanto têm o direito de ser valorizada e protegida pelo Estado.

É atribuição do Congresso Nacional propor e votar leis, cabendo ao governo garanti-las. Preocupa-nos ver os poderes constituídos ultrapassarem os limites de sua competência, como aconteceu com a recente decisão do Supremo Tribunal Federal. Não é a primeira vez que no Brasil acontecem conflitos dessa natureza que comprometem a ética na política.

A instituição familiar corresponde ao desígnio de Deus e é tão fundamental para a pessoa que o Senhor elevou o Matrimônio à dignidade de Sacramento. Assim, motivados pelo Documento de Aparecida, propomo-nos a renovar o nosso empenho por uma Pastoral Familiar intensa e vigorosa.

Jesus Cristo Ressuscitado, fonte de Vida e Senhor da história, que nasceu, cresceu e viveu na Sagrada Família de Nazaré, pela intercessão da Virgem Maria e de São José, seu esposo, ilumine o povo brasileiro e seus governantes no compromisso pela promoção e defesa da família.




Aparecida (SP), 11 de maio de 2011






Dom Geraldo Lyrio Rocha

Presidente da CNBB
Arcebispo de Mariana - MG

Dom Luiz Soares Vieira

Vice Presidente da CNBB

Arcebispo de Manaus - AM

Dom Dimas Lara Barbosa

Secretário Geral da CNBB

Arcebispo nomeado para Campo Grande - MS

Jair Bolsonaro Bate Boca com Senadora Marinor Britto

O Deputado Jair Bolsanaro matém a sua posiçao firme na luta contra a formação do Estado dotado de confissão, ou opção homossexual. Vejam o disparate e desespero da Senadora,  vamos orar pelo ilustre Deputado defensor da ética e da moral.


UM ESTADO LAICO, ENTRETANTO, GAY



 
O Dicionário Housaiss define Estado como: " O conjunto das instituições (governo, forças armadas, funcionalismo público etc.) que controlam e administram uma nação".
Estado é um ente para o qual, pessoas de uma determinada nação atribuem a ele a competência de prover políticas públicas, que possibilitem a manutenção de certas áreas de sua vida.
Embora esta competência parta do povo para este ente, contudo, muitas vezes o Estado tem vida própria exercendo o seu poder a despeito da vontade daqueles que transferiram para ele parte de sua liberdade natural
. O Estado não interage exclusivamente com um determinado segmento de uma nação, tendo em vista que estão sob sua égide, e responsabilidade, todos os grupos constituídos e distintos, sejam grupos étnicos (brancos, negros, índios etc), sejam religiosos (católicos, protestantes, budistas, umbandistas etc), sejam de gênero (homens e mulheres) e por aí vai.
Tal premissa impõe ao Estado o princípio da universalidade, ou seja, ele não pode adotar posturas discriminatórias em relação a qualquer grupo que compõe a nação, o que foi assegurado na Carta Magna Brasileira em seu Art 5o. 
Em virtude disso o Estado Brasileiro, que outrora se declarava católico, se tornou Laico, ou seja, não se declara adepto de nenhuma confissão religiosa, sem, contudo, se opor a qualquer religião, já que tal escolha é de foro íntimo de cada indivíduo, que poderá discordar das bases doutrinárias e litúrgicas de qualquer segmento religioso, sem, contudo, desrespeitá-las.
Não obstante ao fato de ser religioso, reconheço a importância de o Estado ser laico já que a discordâncias de idéias, faz parte do processo democrático e da solidificação de uma sociedade, e enquanto houver harmonia, respeito às liberdades individuais e as disposições legais vigentes, tal debate acontecerá sem a necessidade de intervenção do Estado.
Contudo, embora a nação brasileira continue isenta em questões religiosas, o Brasil petista, vem adotando uma postura, no tocante a questão da sexualidade que beira a oficialização da opção sexual do Estado, e isto vêm ficando patente quando compulsamos a Projeto de Lei 122 (PL 122)..
 O referido Projeto de Lei que vem transvertido de medida anti discriminatória, na verdade cria uma excrescência social, no sentido que o comportamento homossexual não pode entrar no campo das idéias, já que uma vez aprovada no poder legislativo, e sancionada pela nossa Presidente Dilma, qualquer voz discordante terá que ser calada, sob a pena de incorrer em crime.
A verdade que não pode ser questionada, se torna absoluta ou sagrada, e considerando o fato desta verdade ser assegurada pelo Estado, por meio de todos os seus meios coercitivos, fica patente que esta verdade é a do próprio Estado, que entendeu como primordial o cerceamento da liberdade de expressão, e manifestação de idéias discordantes.
De forma similar aos Estados que possui confissão religiosa oficial, que embora respeite as outras religiões praticadas pelo povo, a religião oficial se torna a palavra do governo no tocante a Fé,  incentivando muitas vezes a sua prática. O Estado Petista fez uma confissão sexual, tornando o homossexualismo como o sexo oficial, ou outros são respeitados, contudo, há um incentivo governamental para a prática homossexual, investindo dinheiro público em kits gays.
Infelizmente tenho que admitir que vivo em um Estado Laico, contudo que o querem tornar Gay.


Pr. Jonas Silva



A RETIRADA DE SÍMBOLOS RELIGIOSOS DE REPARTIÇÕES PÚBLICAS


Recebi este email do Reverendo Jaziel Campina Cunha, e, estou postando, pois achei interessante e também quero fazer uma reflexão, em um post futuro, sobre a imparcialidade do Estado.

Pr. Jonas Silva

PADRE CORAJOSO...



VERDADE, MAS TRISTE REALIDADE!!!

O Ministério Público Federal de São Paulo ajuizou ação pedindo a retirada dos símbolos religiosas das repartições publicas.
Pois bem, veja o que diz o Frade Demetrius dos Santos Silva.
“Sou Padre católico e concordo plenamente como Ministério Público de São Paulo, por querer retirar os símbolos religiosos das repartições públicas…

Nosso Estado é laico e não deve favorecer esta ou aquela religião. A Cruz deve ser retirada!

Aliás, nunca gostei de ver a Cruz em Tribunais, onde os pobres têm menos direitos que os ricos e onde sentenças são barganhadas, vendidas e compradas.

Não quero mais ver a Cruz nas Câmaras legislativas, onde a corrupção é a moeda mais forte.

Não quero ver, também, a Cruz em delegacias, cadeias e quartéis, onde os pequenos são constrangidos e torturados.

Não quero ver, muito menos, a Cruz em prontos-socorros e hospitais, onde pessoas pobres morrem sem atendimento.

É preciso retirar a Cruz das repartições públicas, porque Cristo não abençoa a sórdida política brasileira, causa das desgraças, das misérias e sofrimentos dos pequenos, dos pobres e dos menos favorecidos”.





Frade Demetrius dos Santos Silva * São Paulo/SP



Fonte: FOLHA de SÃO PAULO, de 09/08/2009


 
Caminhando em Santidade © 2010 | Design adaptado por Kênia Siqueira | Todos os direitos reservados.