QUEM COMPREENDE A MENTE DO PASTOR PARA SER SEU CONSELHEIRO?



Ser pastor é exercer uma das funções mais dignas e excelentes do mundo, pois ser ministro é trabalhar efetivamente na condução de vidas à eternidade, bem como, da implementação dos valores do Reino de Deus na vida do rebanho.

Contudo, não obstante a dignidade da função, estes dias estava conversando com um colega de Ministério, o qual compartilhava comigo, alguns embates que estava vivenciando, e percebi que tais embates não eram exclusividade sua, mas vejo, que muitos ministros espalhados na face da terra em menor ou maior grau também os vivenciam.

Ser Pastor é ter a capacidade de se alegrar com os que se alegram e chorar com os que choram em frações de segundo, quantas vezes, o ministro recebe a notícia de um nascimento de uma criança em um lar de seu rebanho, e expressa e sente toda alegria que o momento requer. Contudo, momentos depois, recebe a sórdida notícia da morte de uma ovelha, muitas vezes absurda, vil e inexplicável.

O pastor sofre estes picos de sentimentos, sem, contudo, fraquejar e ainda estar pronto para explicar o inexplicável, consolar o inconsolável, amar e dar atenção aos que no dia a dia o despreza.

Ser pastor é estar presente na vida de pessoas ausentes, pastores são abandonados no meio da caminhada, por pessoas que chegaram em seu rebanho quebradas e feridas, que foram amadas, cuidadas, edificadas. Quantas ovelhas nunca estão presentes quando mais os seus líderes precisam delas, mas sempre cobram a efetividade pastoral.

Ser Pastor é responder com o silêncio, as críticas, as acusações, e as injúrias, enfrentando as críticas infundadas de grupos que se formam dentro da igreja, que mesmo recebendo amor e resignação, destilam ódio e amargura.

Ser Pastor é ser justo com o injusto, pois, mesmo experimentando todo tipo de injustiça, o ministro nunca deixa de tratar a ovelha, como integrante de seu rebanho, sendo imparcial e constante.

Ser Pastor é dar quando precisa receber, pois mesmo passando por problemas, lutas, tristezas, chateado, desmotivado, sem vontade de cantar uma bela canção, mesmo assim, de domingo a domingo, encontra forças, para pregar, exortar, amar e cuidar.

Ser Pastor é não ter opção, diante de tantas opções, qualquer ovelha pode escolher não ir à igreja, fazer uma visita nos horários de reuniões, ou qualquer outra coisa do gênero, contudo, ao seu pastor nunca é reservado este luxo.

A família do Pastor talvez seja a maior vítima das lutas pastorais, pois os seus filhos, mesmo doentes, com provas para fazer, estão sempre presentes na igreja. Esposas e Filhos são testemunhas oculares do esforço dos seus “PAISTORES”, bem como, do descaso e da falta de amor que são tratados por seu rebanho.

Esposas de Pastor dividem seus esposos, não com uma amante, mais com um rebanho, pois, quantas vezes elas queriam estar com seus maridos a sós e discutir a relação, mas sempre estão acompanhados de ovelhas e discutindo o ministério.

Alguém já disse que de médico e louco todos temos um pouco, mas cheguei a conclusão que os Pastores têm muito destes dois extremos, pois mesmo vivenciando todas estas coisas, permanecem firme na fé e no ministério, e isto não é outra coisa se não loucura, por outro lado sempre se curam e é instrumento de cura na vida de seu rebanho.

É por essas e outras, que só quem consegue compreender a mente de um Pastor é outro Pastor, mas, você ovelha, mesmo sem entender, ame, zele, respeite, para que seus fardos sejam atenuados.



Pr. Jonas Silva






1 comentários:

 
Caminhando em Santidade © 2010 | Design adaptado por Kênia Siqueira | Todos os direitos reservados.