EU JÁ PREGUEI PARA ESTÁTUAS



Quando eu publiquei o Post COISAS ENTRE O CÉU A TERRA QUE A MINHA VÃ TEOLOGIA NÃO CONSEGUE EXPLICAR, muitas pessoas comentaram a cerca da foto do maluco conversando com a estátua, e entre os comentários percebi que falar com estátuas não é uma coisa tão inusitada assim, principalmente para aqueles que pregam a Palavra de Deus.

Ante a constatação, tive a idéia, mesmo com os protestos da minha esposa Juliana e da minha filha Júlia que contrastava com a curtição e euforia de João Filipe (5 anos de Idade), de ir à rua da Aurora aqui em Recife, constranger a parte feminina da família a me fotografar em pleno ato evangelístico.


A minha identificação com o maluco da foto, não se deve meramente ao fato de que de médico e louco todos temos um pouco, mas, sim, a constatação que durante estes dez anos de ministério, percebi que andei e ando, conversando, aconselhando, pregando para estátuas, sem a menor relutância e vontade de desistir.

Na verdade, as Estátuas são seres humanos petrificados que permanecem inertes, a pregação e o ensino da Palavra de Deus, que passam dias, meses, anos, sem tomarem qualquer atitude que as levem a uma transformação de vida.

Estátuas que são ensinadas quanto à importância da Palavra de Deus para o seu desenvolvimento espiritual, contudo as suas Bíblias, após os cultos, são colocadas em estantes aguardando o próximo dia de reunião na igreja.

Estátuas que têm sido ensinadas quanto à importância do Dia do Senhor, contudo, continuam violando o dia reservado por Deus para adoração, indo para o futebol, festas, praia, transformando a adoração em uma obrigação e o Sábado Cristão em uma coisa secundária.

Jovens estátuas que são ensinadas quanto à importância de viver uma vida santa, que se manifesta em atitudes e relacionamentos, contudo, insistem quando longe da igreja, a viverem um estilo de vida mundano, idolatrando artistas e modismo que não expressam os valores do Reino de Deus, namorando jovens nãos cristãos sem a benção dos seu pais e do seu pastor.

Estátuas que ouvem falar a respeito da importância da evangelização, da seriedade do inferno, contudo, passam a sua vida cristã sem gerar um fruto sequer, não abrem a boca para falar com ninguém a respeito de Jesus com medo de não serem correspondidas, pois..., finalmente falar com estátuas não pega bem.

Estátuas que entram em meu gabinete pastoral, que são aconselhadas, mas, fazem exatamente tudo aquilo que as orientei para não fazer, e ainda ficam perguntando por que as coisas nunca dão certo em suas vidas.

Estátuas que ouvem constantemente sobre a nova perspectiva do Reino de Deus para as suas vidas, mas continuam, por opção, vivendo as suas vidas mesquinhas, egoístas, tristes, deprimidas e aprisionadas pelo pecado.

Uma coisa que descobri sobre as estátuas , é que elas nada mais são, do que homens que foram formados do pó da terra, e, que tiveram as suas vidas enrijecidas pelo pecado.

Mas graças a Deus que o mundo não é só feito de estátuas, pois já vi muitos desses seres inanimados se quebrarem, tornando-se vivas pelo poder da Palavra de Deus, pois enfim não é a promessa de Deus em Ezequiel 36: 26 “Dar-vos-ei coração novo e porei dentro de vós espírito novo; tirarei de vós o coração de pedra e vos darei coração de carne”

Por isso, pela loucura da Evangelho, continuo falando com estátuas, na esperança que elas voltem a ser serem humanos vivos para Deus.





Pr Jonas Silva

5 comentários:

 
Caminhando em Santidade © 2010 | Design adaptado por Kênia Siqueira | Todos os direitos reservados.